970X250 Anistia 2
Tecnologia

Pessoas com renda alta são mais confiantes e orgulhosas, diz estudo

Pesquisadores analisaram cerca de 1,6 milhão de pessoas de 162 países diferentes para chegar aos resultados

09/03/2021 02h11
Por: Redação
Fonte: R7 - João Melo, Do R7*
20
Indivíduos com renda alta possuem mais confiança - (Foto: Freepik)
Indivíduos com renda alta possuem mais confiança - (Foto: Freepik)

Pesquisadores dos Estados Unidos e de Cingapura realizaram um estudo que revelou que pessoas com renda mais alta são mais confiantes, mais orgulhosas e são menos amedrontadas do que as que possuem um renda menor. Os resultados foram publicados no jornal da Associação Americana de Psicologia, na última quinta-feira (4).

Para chegar a essa conclusão, os autores do estudo analisaram dados de cerca de 1,6 milhão de pessoas em 162 países diferentes, como Alemanha, Estados Unidos, França e Japão. 

Os resultados indicaram que uma renda mais alta fez com que as pessoas tivessem mais amor próprio, confiança, orgulho e determinação. Enquanto isso, A renda mais baixa foi relacionada a emoções e sentimentos negativos, como insegurança e vergonha. 

"Ter mais dinheiro pode inspirar confiança e determinação, enquanto ganhar menos está associado a tristeza e ansiedade", destacou  Eddie MW Tong, professor associado de psicologia da Universidade Nacional de Cingapura, no artigo publicado.

Os voluntários que participaram do estudo responderam um questionário informando a sua renda, e também dizendo como estavam se sentindo nas últimas semanas, incluindo emoções positivas e negativas de autoestima. Além disso, eles também informaram como estavam se sentindo em relação a outras pessoas, como sentimentos de amor, raiva ou compaixão. 

Leia mais: Amazon inaugura supermercado sem caixas em Londres

A equipe de pesquisadores descobriu trambém que os diferentes níveis de renda podem ter efeitos a longo prazo. Depois de analisar uma pesquisa realizada anteriormente, foi possível notar que pessoas com receitas mais altas apresentaram emoções positivas depois de até 10 anos do estudo inicial, e indivíduos com renda mais baixa tendem a expressar sentimentos negativos durante o mesmo espaço de tempo.

Segundo o estudo, os resultados foram muito semelhantes em países desenvolvidos, como Reino Unido e Estados Unidos, e naqueles que ainda estão em desenvolvimento, como Angola, Camboja e Burkina Faso.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Pablo Marques